Coletânea GeekBI 2016 a Caminho & Pesquisa

Quem ouviu as notícias do final do dia, hoje, talvez tenha ficado sabendo que as nuvens sobre São Paulo tiveram um episódio de… piriri hídrico, digamos assim, por falta de um termo mais educado, parando a cidade, inundando tudo. Resultado? Sentei para escrever o post de hoje e são 22:22.

Ohhh, a hora mais legal do dia!

Enfim, não deu para terminar o post que eu comecei para hoje. Para não desperdiçar sua viagem até aqui, que tal responder uma pesquisa rápida? ;-)

Conte-me Tudo, Não me Esconda Nada

O tema do post desta semana era (e vai ser, semana que vem) a transformação do acrônimo BI em algo diferente do que ele designava quando foi criado, na década de 50 e a minha resistência em aderir a essa… evolução.

Por isso, já que eu não consegui terminá-lo hoje, queria saber, eu pouquíssimas palavras, o que você acha?

Dá para escolher até duas respostas, se você achar uma só limitante demais.

Mantenha seu cadastro em dia

Eu sempre quis dizer isso, hehe.

O livro com a coletânea dos posts de 2016 já está na Amazon, e vou lançá-lo. Como eu prometi, meus leitores terão um descontaço (de graça!) para levá-lo, mas para isso eu preciso me comunicar diretamente com eles – com você. Como eu vou usar uma ferramenta de mala-direta para fazer esse (e outros) contato, precisarei confirmar os dados de vocês.

Você, que fez o cadastro no blog, vai receber um e-mail para confirmar esses dados. Se você preferir saber das novidades apenas pelo aviso-padrão do WordPress (a ferramenta que gerencia o blog), basta ignorar o contato.

Quem confirmar vai ficar em uma lista prioritária, e ser avisado antes de todos.

Estou tentando, mas reescrevi esse trecho dez vezes e ainda estou parecendo/me sentindo uma propaganda da Polishop… Desculpa aí, ó.

Dica: se você comprou o livro Pentaho na Prática, e atualizou, não deixe de ler o final, depois da biografia!!

Finalmente, se você se cadastrou como um outro blog, considere adicionar seu e-mail também, já que eu não consigo contatá-los apenas por esse vínculo.

Por hoje é só isso mesmo. Até semana que vem! :-)

A Nuvem Negra

Acabaram-se as férias! De volta ao trabalho!

Eu estava lendo um clássico de SciFi chamado The Black Cloud – sim, é daí que eu tirei o nome do post.

Este é uma daquelas histórias que deram a fama ao gênero: com cientistas e perigos intergalácticos, mas contada do ponto de vista da Humanidade, tal como nós a conhecemos. Eis um resumo: em 1963, um estudante de Astronomia detecta uma anomalia no céu [setentrional][setentrional_bitly]. Descobre-se, mais tarde, que essa “anomalia” é uma gigantesca nuvem de gás interestelar, deslocando-se a mais de 100 km/s (cem kilômetros por segundo! Conte 1… cem kilômetros!) em direção ao Sol. Essa nuvem provoca uma violenta catástrofe por aqui e, por muita, muita sorte, não destrói a Terra de uma vez. (Não vou dar spoiler! Leia, é do balacobado!)

Boa Ciência

Pouco depois do começo da história é formado um time de cientistas (físicos em sua imensa maioria) para estudar a Nuvem, a fim de orientar as decisões dos governos do mundo face à novidade. Eles prevêem um certo cenário, mas ele não acontece. Daí outro, e também a coisa não se passa como esperado, e mais um, e outro… Ou seja, erram um monte, pois a tal da Nuvem comportava-se de maneira “errada”. A certa altura, discutindo como interpretar um certo fenômeno impossível (mais um…), um dos cientistas solta o comentário:

Russo rosna...
Russo rosna…

Tradução “limpa”:

“Porcaria de Ciência ruim!”, rosnou Alexandrov. “Obter correlação após fato, Ciência de porcaria. Ciência só prever.”

Alxenadrov, como o nome sugere, é um russo, e por isso ele tem essa forma de expressão… crua, digamos assim. Ao “exclamar” esse comentário, ele contestava o debate, dizendo que adiantava nada achar uma explicação para os fatos. Se quisessem mesmo entender o que está acontecendo na Nuvem, era preciso testar essa explicação: se ela for capaz de prever o comportamento da Nuvem – que é o que mais interessava à eles – então você fez boa Ciência, gerou conhecimento e progrediu. Caso contrário, é uma explicação furada ou imperfeita e precisa ser revista ou melhorada.

Fazer o contrário, adotar uma explicação pós-fato e confiar nela porque explicou o que aconteceu, é o mesmo que apostar numa corrida de cavalos que já acabou (falam exatamente isso para explicar os termos do Alexandrov para as personagens não-cientistas.) Vem daí o “bloody science” do russo, que a educação manda traduzir por porcaria, mas que é melhor representada por outra palavra, também começada com P. :-)

E o que isso tem a ver com BI? Por que esse assunto tão nada a ver logo no começo do ano?

Já, já chego nisso. Antes, uma pequena revisão.

Inteligência de Negócios

No post Paz, Afinal III, eu defini BI pela última vez na minha vida com essa frase:


Inteligência de Negócios é a disciplina de busca da compreensão dos negócios de uma organização mediante a aplicação do Método Científico.


Revendo, acho dá para simplificar:


BI é o uso do Método Científico por uma organização para melhorar sua administração.


Daí, seguindo nesta trilha, no post Full Metal BI Itch eu desenvolvi o argumento de como a aplicação do Método Científico aos dados de uma empresa produzem valor. Eis o trecho relevante:


(…) E se você pudesse voltar um ano? O que faria? Mandaria alguém embora? Cancelaria uma venda ou faria mais pedidos de matéria-prima? Ou faria tudo igual, de novo?

Você há de concordar comigo que, se pudesse mesmo voltar um ano, muito provavelmente faria alguma coisa diferente. Duvido que você não tenha um único arrependimento sequer. Não? Mesmo? E o dólar?

(…) Se pudesse voltar um ano, saberia quando comprar e vender moeda estrangeira e faria uma grana fácil!

Curiosamente, esse poder de “prever o futuro” existe hoje, mas raros usam-no. Quem dá a uma empresa o poder de prever o futuro é justamente Data Mining, em particular, e Inteligência de Negócios, em geral!

Claro que não é possível prever, com exatidão, o valor que o dólar vai ter amanhã, ou semana que vem, ou… Não se trata disso. Se trata de, sabendo como um negócio funciona, bolar uma equação matemática – um modelo matemático – que ajude a calcular as chances de determinadas situações acontecerem.

Daí, baseados nesse modelo, que é a informação tirada dos dados, podemos tomar decisões com chances melhors de sucesso. Evidentemente não é uma decisão garantida, mas entre optar por um caminho ao invés de outro por pura intuição, ou fazer uma escolha embasado no que já aconteceu, obviamente preferimos apostar no que já vimos acontecer. (…)


Resumindo: BI é a aplicação do Método Científico para, a partir da observação de eventos passados, tentar prever (=tomar a melhor decisão) o que vai acontecer.

BI & Ciência

Acho que a relação entre a exclamação do Alexandrov e BI ficou evidente: são a mesma coisa.

Para que iríamos querer olhar os dados que já são passado? Apenas para explicar porque algo aconteceu como aconteceu? Seria muito estéril aplicar tanto esforço por um consolo intelectual.


Ah, fracassamos porque nossa taxa de falhas nos itens da linha de produção número um eram superiores a 1 em 10.000… Que peninha…


Claro que não é para entender, só entender! É para entender o quê levou as coisas a serem como foram, e então evitar que o mesmo problema se repita! Ou que as mesmas oportunidades sejam perdidas! Ou, ou, ou…

Alexandrov colocou de uma forma muito simples, clara e, bom, elegante (numa forma russa de ser, hehe) de se explicar o propósito do ramo da Inteligência de Negócios: fazer boa Ciência (com os dados da empresa!)

Uma Nuvem Negra

Na história, a certa altura, a Terra começa superaquecer (levando à morte milhões de pessoas) porque a Nuvem refletia o Sol e, ao chegar mais perto, mandava mais calor para a Terra.

Depois, quando a nuvem chega, ela obscurece o Sol, e a Terra cai em um inverno profundo, intenso, no qual outros milhões morrem.

IMHO, esses trechos da história também ecoam a realidade da indústria de BI.

Visto de longe, chegando, toda tecnologia associada ao jargão Business Intelligence, parece brilhar com luz própria, anunciando um futuro iluminado, onde nenhuma sombra será vista pairando sobre nosso conhecimento! A chegada das ferramentas de BI na sua organização trará uma nova era de conhecimento, rico e valioso conhecimento!

… Até que tudo é instalado e posto a funcionar e, pouco tempo depois, em muitos dos casos, tudo não parece mais tão claro. Não vou querer esticar esse paralelo ao ponto de dizer que todo projeto de BI acaba em mortes de milhões de inocentes, mas sim, quem já passou por um projeto desses sabe que o mundo real acaba sendo mais sombrio e complicado que a expectativa.

Se já é difícil fazer boa Ciência, imagine em um ambiente que não permite experimentos, como uma empresa.

O truque – que, me parece, cada um precisa aprender sozinho – é saber navegar o dia-a-dia da organização, atingindo expectativas, com um olho no futuro e outro no passado. Até mesmo por isso é que BI é um apoio para a estratégia da empresa. (O que me leva mais uma vez ao argumento contra BI em tempo real. Mas estou digredindo, vamos voltar.)

Bloody Conclusion

Ah, ano novo! Tantos clichês, tão pouco espaço… :-)

Eu queria que o primeiro post do ano trouxesse algo mais fundamental, mais na raiz do sucesso de projetos de BI, seja você da área de negócios ou TI. E, sucesso, é ajudar a organização a crescer e se manter.

BI é valioso. BI cria valor para a organização, e por valor eu quero dizer dinheiro, seja aumentando o faturamento, seja reduzindo custos ou melhorando a produtividade.

Se você quer que sua organização viceje e floresça, então você precisa aplicar o que os dados ensinam. A cultura de BI que experimentamos hoje, tal qual uma nuvem, suaviza os contornos da realidade e dá muita relevância às ferramentas, tendendo a deixar de lado o aspecto científico (=do conhecimento.), que é justamente o como as análises criam valor. E o mais complicado dessa situação é que ela não é óbvia. É preciso dar um passo para trás e tentar ver a bloody big picture para apreender como o conhecimento gerado pela análise de dados está sendo reinjetado na empresa, para melhorar seus resultados.

Quando aplicam-se conclusões que explicaram o passado, mas não foram testadas contra o futuro, BI falha em criar valor e, não raro, pode destruir valor na organização. Esse é o cuidado que temos que ter. Esforce-se em aprender a transformar o conhecimento em valor, através do estudo dos dados.

Isso, bloody comrade, é que é bloody BI. Bloody 2017 para todos nós! :-)

Vaga Pentaho Jan/2017

Isso é que é começar bem o ano!

  • Consultor Pentaho Experiência em conceitos de BI e modelagem dimensional para Data Warehouse;
  • Conhecimento avançado na linguagem SQL com foco em MySQL (versão 5.6 ou superior);
  • Experiência com a suíte completa do Pentaho sendo elas: Pentaho BA Server (versão 5 ou superior);
  • Pentaho Data Integration (versão 4 ou superior);
  • Pentaho Report Designer (versão 5 ou superior);
  • Modelagem de cubos no Mondrian (versão 3 ou superior);
  • Inglês avançado (Leitura e Escrita)

Intessados podem entrar em contato com Letícia Coelho em leticia ponto coelho arroba deal ponto com ponto br.

Feliz Ano Novo!

Engraçado como nosso cérebro roda em círculos, não? Eu pelejei, pelejei, mas não consegui imaginar nenhum nome melhor para este post. Logo, decidi transformar o último post do ano em uma tradição, no qual eu fecho o ano corrente e penso sobre o próximo, e chamá-lo sempre de feliz ano novo.


Quem me acompanha sabe, eu sou pregu… prático. :-) Não consigo inventar nada melhor? Então transformarei minha falta de criatividade em tradição. :-D Né não, Lavosier?


Sacudida

Já basta de preguiça com o título do post. Por isso eu usei “sacudida” ao invés do clássico “balanço”. (Nossa, tá piorando rápido!)

Foi um ano bem variado: teve de Data Vault a painéis, passando por ferramentas e técnicas. Queria ter feito mais, como testar bancos colunares com mais detalhe e estudar pré-agregações, mas estou satisfeito com este resultado.

Foi um ano, também, de interação maior com vocês, meus leitores. Isso é o que mais me animou, o que me supriu de motivação quando eu estava sem idéias.


Obrigado de novo. ;-)


Eu também botei um pé em dois assuntos nos quais eu, definitivamente, ainda sou um novato: BigData e Data Lake. Espero ter contribuído comentários relevantes tanto do ponto de vista concreto, ou seja, para quem precisa se envolver no assunto, como do ponto de vista filosófico, indicando os aspectos que me parecem comerciais de mais e valiosos de menos para os clientes e usuários desse tipo de projeto.

E uma das coisas que eu mais gostei: a palestra na FATEC. Só aquilo já teria feito deste um ano excepcional para mim. Obrigado à Profa. Célia , da FATEC Tiradentes, e ao Prof. Josenyr Santos, da FATEC Zona Sul. Fizeram um menino feliz. ;-)

Aprendendo a Pensar Fora da Caixa

Graças a uma maior “convivência virtual” com próceres do gabarito de Jorge “Kotick” Audy, Arthur Luz’s Data Light e o impagável Rafael Piton, acabei me abrindo para as sobreposições entre BI e toda paisagem de técnicas e filosofias ágeis, novas tecnologias de bancos de dados e formas de se fazer a coisa, e uma visão do mercado profissional de BI – respectivamente.

Vale a pena destacar alguns pontos:

  • Audy: consegui conhecê-lo pessoalmente (!!!) e ainda participei de um dos seus lendários eventos. Não tem muito o que falar: gigante em pessoa, um coração imenso, profissional refinado, profundo, experiente etc. etc. etc. Hoje ele é O cara de Ágil e inovação no Brasil – LEIA-O!! :-)
  • Arthur: uma alma de professor com estilo de um cronista. Um cara que eu leio para ver o que a Microsoft está fazendo – gostem ou não, eles investem em novidades e é imperioso saber para onde estão indo! – e para aprender como se conduz um trabalho completo e bem-feito. Ele tem séries sobre diversos temas da área. Claro que interessa mais a quem vive no mundo Microsoft, mas o estilo dele é leve e gostoso de ler e sempre acaba sobrando algo para todo mundo. Este post, por exemplo, que conta sobre as novidades de uma release do MS SQL Server 2016,  é um desbunde de minúcias, velocidade e abrangência;
  • Piton: um cara que não fala sem embutir valor. Ele usa um bordão muito parecido com o meu – ele fala BI é conceito, não é ferramenta, enquanto que eu digo BI é solução, não é ferramenta – e sempre traz ótimas dicas. Não deixe de ver o vídeo dele sobre como achar centenas de vagas. É VERDADE! Ele mostra um site que eu não conhecia, mas que não vou colocar aqui para pagar o devido tributo ao trabalho dele. Passem lá, deixem um like e naveguem para o link indicado. E assinem a newsletter dele, é bem bacana. ;-)

Preparar, Apontar, Escrever!

E agora? Para Onde?

  • Beltrano S/A, v2.0: consegui organizar as idéias e planejar meus próximos livros sobre Pentaho. O primeiro passo desses novos projetos será redesenhar a base usada no Pentaho na Prática, com processo de carga parametrizado para criar um número arbitrário de linhas, e assim conseguir bases de qualquer tamanhho – milhares, milhões, bilhões de registros – que vão servir para ir mais longe em exercícios de otimização e performance no Pentaho. O projeto continua livre e vou postar as novidades conforme aparecerem;
  • Hadoop: passou da hora de eu escrever algo mais técnico sobre ele. A tecnologia está madura e acredito que agora tenho algumas idéias sobre como posso agregar valor à comunidade. Veremos se eu dou conta;
  • Bancos Colunares: usando o Beltrano 2.0, vou tentar montar um laboratório de dezenas e centenas de milhões de linhas. É o trabalho que eu mais quero fazer!
  • memcached e Hazelcast: Na sequência de grandes volumes, caches externos são obrigatórios para melhorar a performance de consultas. Ainda preciso estudar, mas tenho um amigo que meu deu boas dicas e, no mínimo, isso eu vou tentar trazer;
  • Soluções: ainda não fiquei feliz com a série Soluções Clássicas. Está muito etéreo, muito “é assim, é assado”. Vou tentar achar casos de soluções de BI no mundo real e mostrar aqui.

Mas isso é só uma parte. Instigado por posts como este fantástico Aula de BI, eu vou mirar também em assuntos mais abertos, conceituais e misturados:

  • BI com Ágil: como funciona um projeto assim?
  • {MVP, Design Thinking Etc.} x {BI}: traduzindo, produto cartesiano de BI com MVP, DT, Scrum, Gamefication etc. etc. etc. Quero investigar como ficam as tais soluções clássicas de BI dentro de um framework de criação de produto/valor, envolvendo tudo que eu li neste ano e o que mais aparecer. Será que dá para fazer?

    Valei-me Santo Kotick! Eu vou te alugar, mestre, esteja avisado! :-D


  • Negócios em geral: BI é sobre usar dados e agregar valor. Quero explorar essa interface toda, entre TI, negócios e conhecimento. Quero tentar fazer em BI o que o Audy faz com Ágil. Sem noção? Presunçoso? Sim, claro, porque não? Ou não seria euzinho, hehe. ;-)

Nem sei o que vai sair disso tudo, mas estou rascunhando vários posts em diversos temas. Só esperando uma próxima quarta-feira para saber…

Pentaho – A Nova Série

Este ano acabou representando uma pausa na minhas publicações. Eu precisei deixar o assunto quieto para as idéias maturarem, e chegou o momento de pegar firme de novo.

Sem mais delongas, com vocês minha nova série de livros de Pentaho!


Uaaah, a galera vai ao delírio,
luzes, fogos, explosões, tambores!!!…
:-D


(quem me dera…)

Enfim. ;-)

Mesmo com a (na minha opinião) excepcionalmente boa recepção do Pentaho na Prática, ele é um tijolo com quase seiscentas páginas. Se não fosse a auto-publicação, nunca teria vindo a público em sua totalidade. Isso é ruim por vários lados:

  • Obriga o leitor a levar tudo, mesmo que ele queira só um pedaço;
  • O leitor acaba pagando pelo que não quer, o que dá uma sensação de desperdício – eu sinto isso quando compro esse tipo de livro e imagino que meu leitor sofra o mesmo;
  • É praticamente impossível lançar um livro de papel deste tamanho;
  • Atualização: mesmo que algo mude em uma apenas uma das ferramentas, sem afetar as outras, o livro precisa de uma nova edição inteira. Fazer só uma parte deixaria o trabalho com uma qualidade muito ruim – começaria a parecer uma colcha de retalhos, um caça-níquel, que é o tipo de coisa que eu mais abomino. Fazer por fazer, eu prefiro não fazer.

Por esses e outros motivos eu decidi quebrar o PnP em vários livros. Por enquanto tenho três planejados, separados em função das necessidades que me parecem ser buscadas em conjunto:

  • BA Server: deve ser o primeiro, já que é o pedaço mais desatualizado do PnP. Vai ter o de praxe – instalação, configuração e uso – e mais cache externo e otimização do Mondrian, no mínimo;
  • Apresentações de Dados: como muitos já possuem DWs prontos, acredito que a próxima coisa mais útil seja mostrar coma instalar, configurar e usar as ferramentas de exploração e apresentação de dados, como o PRD, OLAP e painéis;
  • Integração de Dados: o (provavelmente) último a sair será só sobre o PDI, com tudo que eu conseguir colocar e ainda lançá-lo dentro dos próximos trinta anos. :-) Quê?! É coisa pra chuchu!!! E desta vez eu pretendo colocar clusters e bancos colunares – e Hadoop!!!

E cada um custará uma fração do preço do PnP. Acredito que isso dará mais liberdade para o leitor, que poderá investir só no que precisar. Daí, quando – e se – quiser, pode investir nos outros. E não se iludam, isso também é financeiramente mais vantajoso para mim, sem contar que é mais fácil atualizar um volume de cada vez quando ficar obsoleto.


Atenção!

Se você comprou o PnP, atualizou para a segunda edição e se inscreveu no “Livro Secreto”, então você vai poder comprar todos esses livros a um preço simbólico, e antes de todo mundo. É o mínimo que eu posso fazer para expressar minha contínua gratidão à sua coragem. ;-)

Logo depois, quem está inscrito no GeekBI, meu fiel leitor(a), será avisado e receberá um desconto especial – claro! ;-)

Mas não se preocupe se você não tem paciência pra me aguentar te torrando toda semana: como sempre, os lançamentos serão anunciados na lista Pentaho-BR, também com uma boa oferta. ;-)


Putz! Agora que eu anunciei, vou ter que entregar! Ai… kkkk

Conclusão

Já descontados os que eu não salvei, como vagas de emprego e anúncios em geral (deve dar ai uma meia-dúzia), são quase sessenta posts, escrevendo toda quarta-feira, tendo falhado apenas uma única vez. Gostaram? Foi bom para vocês também? ;-)

Eu estava decidido a não repetir a experiência, mas do nada começou a brotar idéias, assuntos e dúvidas. Então vou assumir o mesmo compromisso em 2017: um post por semana, no mínimo, com começo, meio e fim e uma proposta clara de valor para você, meu fiel leitor. Mas esteja avisado que não haverá repetição ou lugar-comum por aqui, a não ser para desmontá-lo ou desmistificá-lo. (Aaaaiii gostoso!!! Acaba, 2016!!!! kkk)

E livros!!

Últimas palavras?


Já acabou, Jéssica?


Então aqui vai:

FELIZ ANO NOVO!!!

Vejo vocês em fevereiro de 2017, bem mais sério e mais comportado que hoje, prometo. Mesmo, mesmo!

Até lá! ;-)

Feliz Natal!

E 2016 está acabando. Semana do Natal, clima de festas… Não vou fazer um post de BI, hoje. Ou melhor, não vou fazer sobre BI, em si, mas sobre as coisas boas que BI  alavancou.


Se veio atrás de BI hoje, lamento – agora só ano que vem! Mas você é bem-vindo para terminar de ler este post aqui. Ele diz respeito à você. ;-)


Ao longo destes anos eu recebi muitos comentários simpáticos e elogiosos aqui no blog e essa é uma das coisas que BI proporciona: interação entre profissionais, invariavelmente apaixonados pelo assunto. Graças a BI eu pude estender meu círculo de relacionamentos e conhecer muitas pessoas bacanas por aí.

Piegas? Claro!!! :-D

Sempre que eu venho aqui, tentar dividir o pouco conhecimento que eu consigo acumular, eu enfrento um desafio, que para mim é enorme. Eu me forço a alinhar idéias de forma clara, concisa, com começo, meio e fim, sempre garantindo um valor mínimo para meu visitante. Quero que, quando alguém ler um dos meus posts, saiba o que o espera, e que ao terminar tenha ganhado algo. Raramente eu me permiti simplesmente “copiar-e-colar” alguma coisa aqui, mas mesmo assim sempre prezei por adicionar valor ao meu leitor.

De novo, os comentários que eu recebi me sugerem que eu tenho conseguido atingir esse objetivo. Obrigado por me contarem!

Juro para vocês, toda terça-feira eu começo a surtar, entro embaixo da mesa, abraço as pernas e fico balançando, acocorado, repetindo “não vai dar, não vai dar”… Mas quando chega na quarta-feira de manhã eu já tenho uma boa idéia do que eu quero, do que vai ser o post e como escrevê-lo.

Enfrentar esse “desafio intransponível” semanal é mais uma dessas coisas que ser apaixonado por BI tem me proporcionado. Claro que é uma tortura auto-imposta, e falhar não traz nenhuma consequência. Com esse exercício eu tenho aprendido a me auto-motivar e a buscar inspiração, situações nem sempre disponíveis no meu trabalho. Neste ano todo, falhei em publicar na quarta-feira apenas uma vez.

The Year Of The Data Vault

E para fechar o singelo post de hoje – clima de Natal! êêêêhh!!! – quero destacar um comentário que recebi recentemente, por e-mail:


Em 15/12/2016 17:41, X escreveu:

Só compartilhando uma coisa bacana. Você disse sobre a automatização na criação do Data Vault e estou vivendo isso. Muito bom! Não automatizei, mas com um simples “substituir” no xml, o processo fica semi-automático.

Estou amando Data Vault. Data Vault é vida! Data Vault é amor!


Esse comentário está sendo reproduzido aqui com a autorização de X. ;-) Muito obrigado, X!

Como eu ia dizendo, eu tratei de vários temas em 2016 e tentei falar menos de ferramentas e mais de conceitos. Tratar de ferramentas, especialmente do Pentaho, que eu adoro, é divertido, mas tende a ter uma relevância menor para os visitantes, enquanto que conceitos ou experiências são úteis para mais gente e permanecem válidos por mais tempo. Por isso eu acabei falando bastante sobre Data Vault, que tem muito ainda a ser explorado tanto em termos concretos quanto conceituais. E, de alguma forma, de repente, o assunto começou a ganhar tração aqui no Brasil, e o número de interessados aumentou, comparado a 2015.

Mesmo assim, a rasgação de seda acima me pegou de surpresa. Na verdade, fiquei completamente desarmado. Eu sou um cara que, quando se envolve, se apaixona pelo assunto. Eu passo a respirar, comer, vestir, beber etc. o assunto – minha esposa que o diga. E arroubos como esse eu acabo experimentando com frequência – mas ver um assunto motivar tanto alguém a ponto de declarar “Data Vault é vida! Data Vault é amor”, bom, eu caí da cadeira! :-D Esse cara é meu herói!

E essa é a coisa mais legal que escrever aqui tem trazido para minha vida. Paixão. Um canal para extravasar minha paixão pela ciência dos dados nas organizações, um lugar para exercer meu lado cientista, físico, e atingir realização profissional em um nível ímpar.

Nada disso teria a menor graça se não houvesse alguém do outro lado para ecoar, para irmanar essas realizações.

Se você não estivesse aí me aturando. ;-)

Muito obrigado por passar por aqui. Espero que você leve algo consigo e volte semana que vem para mais um pouco. Prometo que vou me esforçar para valer a pena!

Feliz Natal!!
Feliz Natal!!

Fábio de Salles
21 de Dezembro de 2016

Vaga para Consultor Pentaho

Recebi um anúncio de vaga para analista Pentaho:

  • Experiência com as ferramentas Pentaho Data Integration e Pentaho Report Designer;
  • Diferencial que o profissional conheça também as ferramentas CTools (ferramentas usadas para criação dos dashboards);
  • Experiência com a linguagem SQL com foco em uso no MySQL (imprescindível);
  • Local de trabalho: Próximo ao metrô Paraiso – SP
  • Contratação: CLT Full.

Os interessados podem contatar Letícia Coelho, no e-mail leticia ponto coelho arroba deal ponto com ponto br.

Uma Ferramenta Para Cada Caso

Há algum tempo eu recebi, na rua, este folheto:

WD-40: muito mais que só um aerosol bonitinho.
WD-40: muito mais que só um aerosol bonitinho.

Quem diria, não? Eu cresci usando WD-40 para quase tudo – de matar formigas a efeito sonoro, passando por desengripante e, claro, anti-ferrugem (o nome é uma referência a deslocamento de água, versão 40.) Mas jamais imaginei que o fabricante do WD-40 oferecia uma linha de vários outros produtos. O folheto que mostra a famosa lata aerosol, mostra também latas de diferentes quantidades do mesmo produto e frascos de coisas como “lixa líquida” e
“graxa branca” (o fim das manchas, com o mesmo poder de lubrificação? Ui! :-D )

Mas, é só lubrificação! Como pode uma única empresa, detentora de um único produto famoso, ter uma quantidade de opções??

Respondo-vos eu: e daí? O que é que tem uma coisa a ver com outra? O que é que proibe a empresa que fabrica um produto multi-uso de ter outros produtos?

Existe uma certa tendência, em TI, a pensar nos nossos produtos como coisas abrangentes, que encompassam tudo. O inglês oferece uma expressão precisa para esse sentimento: one size fits all, ou seja, um tamanho serve para todos.


Será que os softwares e hardwares são desenvolvidos nas fornalhas amaldiçoadas de Mordor?

   Three Rings for the Elven-kings under the sky,
   Seven for the Dwarf-lords in their halls of stone,
   Nine for Mortal Men doomed to die,
   One for the Dark Lord on his dark throne.
   One Ring to rule them all. One Ring to find them,
   One Ring to bring them all and in the darkness bind them.


Mas estou digredindo.

Quem acompanha meu blog sabe que eu tenho uma fixação por propagandas de produtos que prometem fazer tudo com uma só ferramenta. Não tenho problemas com empresas que se prestam a servir tudo, ou one stop shops, mas com empresas que oferecem um único produto e afirmam que ele pode fazer tudo, que ele dispensa qualquer outro complemento.

Esse tipo de mensagem prejudica o cliente, o consumidor, por um motivo muito simples: todo mundo quer ouvir que seu problema tem uma solução fácil.

Mas em TI, e principalmente em BI, não existem soluções fáceis ou óbvias ou tão simples que um mané qualquer pode construir. Se fosse verdade, não teríamos tanta evidência anedótica de projetos que deram errado, de times que ouviram o canto da sereia “one-size” e depois precisaram recolher os cacos e recomeçar.

Pensem em lubrificação: uma coisa simples, só fazer escorregar mais facilmente. Agora pensem em quantas opções de lubrificantes existem. O que gera essa variedade? O uso, os materiais envolvidos e até a dinâmica dos corpos em atrito! Ou você nunca escorregou em um piso molhado que, pisado da forma certa, oferece firmeza?

E essa variedades de opções se estende por uma infinidade de assuntos – basta pensar em alguma coisa e você vai ver que não existe essa coisa de “one ring”, para nada.

E porque continuamos buscando isso em BI? Porque ainda queremos que isso seja verdade?

Não sei, mas o fato é que não é.

Conclusão

Como dito, eu já comentei e dei aqui vários exemplos de como forçar uma ferramenta em todas as funções pode ser um grande erro. Bom, eu tive oportunidade de conhecer melhor dois produtos semana passada, Alteryx e Tableau. Adivinhem a mensagem central?


Você só precisa desses dois produtos, mais nada.


Ai, ai, esse ramo não tem jeito, mesmo. Pelo visto, sempre que um fornecedor de BI puder, ele vai tentar reduzir tudo ao mínimo. Mas o cenário talvez esteja melhorando, afinal ouvi dizer pela primeira vez (fora o SAS, que sempre ofereceu um carrilhão de opções) que precisamos de dois produtos! Um para ETL/Analytics, outro para Visual Analytics.

Bom, de qualquer maneira, o fato é que eu ainda preciso estudar mais esses produtos para poder negar a afirmação do fornecedor. Por enquanto, pelo que eu vi, de fato cobrem muita coisa e não é impossível que sejam mesmo o único produto necessário…

… se você ignorar sistema operacional, bancos de dados, diagramação, modelagem matemática etc. etc. etc.

Ai, ai. ;-)


O ano está chegando ao fim. Os próximos posts falarão sobre alguns livros interessantes que li este ano e fecharão a série de soluções clássicas, apresentando o Cálculo Atuarial. Até lá!

Exame & BigData

A revista exame publicou, em 5 de março deste ano (2016), um artigo comentando sobre o mercado de trabalho para “Cientistas de Dados”.

Eu sempre implico com nomes “da moda” porque, na minha opinião, eles desvalorizam o profissional sedimentado, experiente, abandonando expressões que funcionam por um palavreado mais colorido. Ocasionalmente a coisa muda, claro, e esses nomes precisam mudar junto, mas em TI há uma competição disfarçada para ver quem vem com a próxima buzzword. No final essa disputa acaba por atrapalhar a vida da TI porque tanta mudança forçada impede a construção de senso comum e de uma cultura particular.

Pergunte a um engenheiro mecânico o que é um carburador, ou se eles usam “camâras adiabáticas para oxiredução explosiva”. Ou para um financista se ele fala juros compostos, ou “taxa de interesse recursiva”.

Entendeu a idéia? Para quê mudar uma expressão se ela adequa-se perfeitamente?

Pior: uma pessoa errada, mas com muita certeza, vai levar outros a errar também. É preciso estar de posse de um conhecimento sólido para poder resistir à pressão do hype corrente.

Big Data, Hiper Hype

Nestas últimas semanas eu tenho escrito sobre BigData, mas ontem eu não tinha assunto. Eu não sabia sobre o que postar, e depois de um dia cheio e tela em branco, eu simplesmente desisti.

Sem inspiração? Que tal tocado como gado?
Sem inspiração? Que tal tocado como gado?

Hoje eu acordei e olhei de novo para minhas anotações e achei este rascunho aqui, sobre a Revista Exame, e vi um bom fechamento para a série. Junte-se a isso que eu repeti minha palestra sobre BigData para a Fatec Zona Sul, cujo foco era desfazer confusões antes de começarem.

Leia a reportagem, é interessante. Entretanto, lá no meio, quando tudo estava indo bem, algo dá errado:


“O big data não se resume a um processo de automação. Seu objetivo é entender melhor o que acontece numa empresa, o que os clientes querem e, assim, modificar o negócio”, diz Jorge Sanz, diretor do Centro de Business Analytics da Universidade Nacional de Singapura, um dos grandes centros de big data da Ásia. Esse processo requer softwares capazes de captar os dados relevantes — e, acima de tudo, pessoas treinadas para interpretá-los.


Eu copiei o parágrafo inteiro como está. Releia. Releu? Entendeu? De novo, devagar:

“O big data não se resume a um processo de automação.”

“O” big data? Agora é uma coisa só, um objeto que anda por aí, e não mais uma tecnologia, mas um objeto. Ok, vamos dar uma colher de chá, já que muitos profissionais ainda chamam BI de “O” BI.

“Não se resume a um processo”: então “big data” é um processo? Se ele diz “não se resume”, então ele já classificou o assunto como um processo; apenas vai adiante e diz que não é apenas um processo – mas implica que é um de qualquer forma. Ou seja, passou de tecnologia-objeto (que demanda o tal do artigo definido masculino singular, “O”) para uma coisa que também é um processo. Mais uma confusão, mas vamos relevá-la de novo, em favor da prosa da reportagem.

“De automação”: e de onde veio isso? Do parágrafo anterior no artigo, onde ele começa associando computadores a automação. Até são coisas relacionadas, mas chamar Hadoop de automação é um pouco demais. Mas mesmo assim, vamos em frente.

E aqui o assunto descarrilha de vez:

“Seu objetivo é entender melhor o que acontece numa empresa”

É um repórter competetente, entrevistando um executivo relevante de uma enorme instituição financeira nacional. Quer dizer, não é um par de manés, não! São profissionais experientes, gabaritados e entendidos no assunto…

… que meteram os pés pelas mãos. Há décadas existe um termo que usa como definição justamente essa frase – Seu objetivo é entender melhor o que acontece numa empresa: Inteligência de Negócios, vulgo BI.

O que ele fez foi chamar uma coisa de outra. Foi vender banana anunciando carambola, já ambas são compridas, amarelas, tem casca, são frutas… Só que não são a mesma coisa! É um esforço feito para dar ribalta a uma expressão da moda, dando um gancho (sigam este link, é hilário!) em outra!

Fora, Inteligência de Negócios! Agora queremos "o big data"!
Fora, Inteligência de Negócios! Agora queremos “o big data”!

Existe uma outra explicação, que é dizer que ele não sabia mesmo do que estava falando, mas isso é um pouco demais para aceitarmos. Afinal, é a maior revista de negócios do Brasil, não um panfleto de bairro. Não atribuiriam a um repórter uma tarefa que ele não conseguisse desempenhar adequadamente. Isso feriria a reputação de ambos – revista e repórter. A menos, claro, que seu público não fosse capaz de perceber a confusão, mas aí é demais para aceitarmos porque estamos falando de um público qualificado, líderes, executivos e profissionais de todos os ramos, conhecedores de assuntos mil…

Entenderam como funciona? Ninguém tem bem certeza do que é algo. Aí a moda vem, avassaladoramente, e sacode tudo junto. No final fica parecendo aquela piada:


O bêbado entra no ônibus, passa a roleta e vai para trás. De lá, grita:

  • Do lado direito todo mundo é palmeirense! Do lado esquerdo todo mundo é corintiano!

Ao ouvir isto, levanta um do lado direito e fala:

  • Eu não sou palmeirense!!!

E todo os passageiros começaram a xingar o bêbado e ameaçando cobri-lo de bolacha. O motorista, para evitar confusão, freia bruscamente e todos caem. Um dos passageiros se levanta, pega o bêbado pelo colarinho e pergunta:

  • Fala de novo, safado! Quem é palmeirense e quem é corintiano?!

  • Agora eu não sei mais. Misturou tudo…


Não dá mais para saber quem é quem, porque o jornalismo especializado misturou tudo.

Conclusão

A reportagem segue nesse mesmo ritmo, dando novos nomes a coisas já estabelecidas. Por exemplo, em certo momento ele diz que os cientistas de dados têm remuneração superior à dos técnicos, que até o surgimento do big data eram os responsáveis por cuidar da manutenção dos bancos de dados. Ele misturou DBAs com analistas de DW/ETL, com Analistas de Data Mining, com Hadoop, com Bancos Relacionais… Em metade de um parágrafo, em menos de 30 palavras, causou-se estrago para pelo menos três áreas:

  • DBAs fazem a mesma coisa que cientistas de dados se você não usar “big data”;
  • Cientistas de Dados são DBAs para “big data”;
  • A manutenção de um Hadoop, uma plataforma de clusterização escrita em Java, é feita por um cientista de dados, enquanto que a de um Oracle, um banco de dados relacional, é feita por um técnico, e são a mesma coisa do ponto de vista funcional;
  • E Data Mining?

Esse tipo de artigo confunde um número de conceitos complexos para uma audiência em geral leiga nestes mesmos tópicos. Por ser um veículo de projeção nacional e respeitado, bem-conceituado, muitos tomam o que sai ali por fato, por verdade canônica. Aos poucos essas confusões tomam o lugar das verdades nas empresas, impactando planejamento, contratações, e até debates. Como é que um cara qualquer, um joão-ninguém como eu pode argumentar com o “repórter da Exame”? A quem acreditam vocês que o público atribui maior conhecimento? :-)

E pior ainda: como é que um profissional recém-formado pode querer colaborar com a empresa, se tudo que ele fala é contestado pelo chefe que viu tudo diferente na revista de negócios mais famosa do Brasil?

Tem mais razão e está mais certo que fala com mais convicção? Não, né? Repasso aqui o conselho que dei àqueles alunos das FATECs:

Use sua inteligência para filtrar. Critique e questione tudo. ;-)
Use sua inteligência para filtrar. Critique e questione tudo. ;-)

É isso. ;-)

As Sombras São Perigosas?

Pronto, lá vamos nós de novo! A bola da vez é Shadow IT, que é a organização de TI fora da TI.


Gartner: Shadow IT refere-se a equipamentos, softwares e serviços informatizados fora da propriedade e controle do departamento de TI de uma organização.

Wikipedia: Shadow IT é um termo usado com frequência para descrever sistemas de tecnologia da informação construídos e usados dentro de uma organização sem aprovação explícita. Assim como o termo Stealth IT, Shadow IT é usado para descrever soluções especificadas e entregues por outros departamentos que não o de TI.


Soa familiar? Deveria! Olhe esta notícia, de 2 de Fevereiro de 2016:


Gartner estima que as vendas mundiais de software de BI vai atingir US$16.9Bi, conforme as compras mudam do departamento de TI para as mãos de indivíduos adeptos ao auto-serviço. Gartner says $16.9bn BI market in last stage shift from IT to business


Este artigo discorre sobre a tendência de a operação das ferramentas para BI sair da TI e migrar para dentro dos departamentos que usam essas ferramentas. Como estamos em 2016 e a onda de Data Discovery já está passando, o repórter coloca as coisas em uma perspectiva suave comparado ao que foi 2015: “TI ainda tem um papel na captura e preparo dos dados para consumo pelos usuários de negócio”.

Cuma??? Li isso mesmo? “TI ainda tem um papel…”.

Nossa. :-O

Um ano atrás todas as propagandas de Data Discovery e outros quejandos berravam “livre-se da TI, acesse seus dados diretamente, sem precisar de ninguém!” Era praticamente a reedição da Reforma Protestante, agora para Inteligência de Negócios

Nada como um dia após o outro.

Eu até procurei um pouco de todo esse marketing anti-TI, mas não consegui encontrar. Começo a pensar se não vi coisas, ou se não entendi tudo errado.

À Sombra da TI

De volta à vaca fria, o ponto que eu queria enfatizar é que sempre existiu alguma independência entre os departamentos de TI e o restante da empresa. Nas pequenas empresas familiares, um departamento (ou até mesmo dois!) ficam concentrados em uma só pessoa, e o funcionamento da empresa depende das aptidões e talentos multidisciplinares de todos os empregados. Meu primeiro emprego, por exemplo, foi como assistente de vendas na ACATEC (nossa, ela sumiu…) e o trabalho usava uma mistura bagunçada de Word, Access, fax e e-mails. Aos poucos eu aprendi a usar o Access e evoluí o processo de trabalho, até ficar totalmente centrada no Access e eliminar 100% de papel (isso está no meu CV, hehe – e era 1998!!!) Nesse Access registrávamos o contato do cliente, abriámos propostas, mandávamos mala-direta etc. Eu era a TI, o BI, o Marketing E assistente de vendas. :-)

Depois eu fui trabalhar no SAS (graçasadeusaindaestálá!), uma empresa muito, muito, muito maior. Havia um departamento de TI, um cara para cuidar da infra e tudo mais…

… MAS TODO MUNDO ANOTAVA TUDO EM PAPEL!!

O escritório do SAS na maior cidade do maior país da América do Sul tinha uma rotina de trabalho mais manual que da pobre ACATEC. E o que eu fiz? Reconstruí o banco de dados em Access e automatizei o meu trabalho, claro. Mostrei para meus colegas e eles disseram que alguém já tinha tentado fazer a mesma coisa, e até resgataram o que foi feito, mas que não deu em nada.


Foi a primeira vez que eu me dei conta de que não podemos forçar uma boa ferramenta em qualquer uso. O que eu consegui fazer em um dia com Access eles passaram meses tentando, usando o próprio SAS, e não conseguiram. O fato é que o SAS não era voltado para aquela função. Daria para fazer – tanto que eles conseguiram alguma coisa – mas não teria dado tão certo como meu Access nem com todo conhecimento do mundo. E isso faz quinze anos!!


No final veio um mega-sistema da sede, nos EUA, via web, mas ainda não fazia tudo que o meu fazia – estava planejado, mas na primeira etapa era só um apoio para elaboração de propostas. Enfim, saí de lá para uma empresa que vendia software de automação industrial (SCADAs), que era parte de um grupo maior, que incluía uma software house para automação comercial. Era uma empresa nacional, chamada Aquarius, com alcance internacional. Um meio-termo, portanto, entre o SAS e a ACATEC.


Eu, de peixes, trabalhando na Aquarius. Piada pronta… :-P


De novo, operavam na base do papel, e-mail, Word, agendas particulares (de papel! Eu era um dos dois únicos caras com um Palm.) O que eu fiz? Adivinhou: saquei o Access do pacote MS Office, que todo mundo tinha, e reconstruí meu gerenciador de contatos/vendas. Desta vez meu trabalho era todo de campo, e por isso eu precisava visitar muitos clientes. Não tive dúvidas! Criei uma função de planejamento de roteiro. Assim eu poderia passar uma semana no escritório contatando os clientes e fechando agenda para, vai, o sul de Minas Gerais, e registrar tudo. No final eu imprimia um relatório e passava a semana na estrada, ticando empresa após empresa.

De novo, mostrei o que tinha feito em uma reunião da diretoria da empresa. De novo… está ficando cansativo, mas vamos lá…

De novo eles falaram “nossa, igual ao que estamos fazendo!” e me mostraram o que estavam desenvolvendo a coisa de ano ou pouco mais. Claro que eles estavam fazendo um produto para vender e não se comparava com o meu nem em funcionalidades nem em qualidade e aparência. O meu era um Access, manuseado metade por formuláros, metade por tabelas, enquanto que o deles era um aplicativo especial, com instalador, cliente-servidor, todo cheio de ícones bonitos e telas funcionais.

Mas mesmo assim eu os bati – cheguei antes no fim. Na verdade, acho que eu tinha acabado de recriar a idéia do ágil e não sabia. (Eu fazia pedaço por pedaço, para atender uma necessidade imediata.)

Excel-ente!

E esta semana, lendo por aí eu me deparei com o tal do Shadow IT. Ora bolas, eu sempre fui uma sombra de TI! Não quero nem nunca quis sabotar nada, sem contar que algumas vezes eu era a própria TI. Eu sempre tentava obter e adotar a solução oficial. Quando essa não vinha, ou não resolvia um mínimo dos meus problemas, eu partia para resolver eu mesmo.

A maior ferramenta de BI de todos os tempos.
A maior ferramenta de BI de todos os tempos.

Quando os projetos de DW e BI começaram a demorar muito, a frustrar os usuários finais, o que foi que aconteceu?

Eles começaram a contornar à TI! Não é à toa que a funcionalidade mais requisitada em TODOS os projetos de exploração e visualização de dados (aff… “projetos de BI”) é EXPORTAR PARA EXCEL!!! Porque assim cai em uma coisa que o usuário pode fuçar sozinho, sem ser barrado ou frustrado pela TI e pelos “donos” do projeto de BI.

Na minha opinião, foi essa atividade parelala, tocada à sombra da TI formal, que os fornecedores de ferramenta de BI decidiram alimentar. Eu sempre impliquei com todo aquele papo de vendedor, como “se conecta a qualquer fonte de dados”, “self-service!”, porque quase todas as ferramentas de BI, se não todas mesmo, conectam-se a quase todas as fontes de dados, ou ao menos ao conjunto dos bancos mais famosos. Isso nunca foi uma revolução.

A revolução, mesmo, foi o vendedor desviar da porta do departamento de TI e ir bater no departamento de vendas. Na minha opinião, as modernas ferramentas de BI, mais leves e de menor porte, vieram na esteira dessa mudança no paradigma de vendas, e não o contrário.


Eu não levei mais que alguns meses no SAS para chegar a conclusão que BI se vende na diretoria, não na TI. Mais tarde eu percebi que, de maneira geral, essa abordagem é um traço da cultura de vendas do SAS e por isso veio a mim tão rápido (e eu me achando esperto…) Apenas frequentávamos a TI para ter certeza que não seríamos sabotados por um gerente magoado ou por uma prima-dona dodói. Mas nossa mira era sempre o C-Suite, nunca TI.


Conclusão

Meu ramo é BI, e tendo a olhar só BI. Porém, esse movimento “Self-Service” para informatização existe em muitos outros campos. Quantos gerentes não usam planilhas e smartphones para cuidar de suas agendas, deixando o sistema de agenda corporativa para um papel de comunicação/interface? Ou quantos departamentos inteiros não rodam em sistemas locais, completamente separados dos sistemas oficiais da empresa? E quando essa situação surge, adivinha o que acontece? Punem-se os responsáveis pelo sistema paralelo e força-se a adoção do oficial? Não, muito pelo contrário! Não raro a TI oficial assume que o sistema paralelo existe e funciona e deixa de competir por aquele “nicho” local, dedicando suas forças a coisas que ainda precisam da ação oficial.

O termo Shadow IT para faladores de português pode induzir à percepção de algo sombrio, fúnebre ou fora-da-lei. Mas em português, quando ficamos por perto, mas não à frente, ficamos à sombra de algo ou alguém. É esse o sentido, na minha interpretação, do termo Shadow IT. A tradução mais adequada talvez seja TI Paralela ou TI Alternativa.

Ao observar esses fatos – a TI paralela por necessidade, conveniência ou comodidade – e a explosão do mercado de ferramentas, eu passei a acreditar que não estamos vivendo a era do BI Self-Service, mas a do BI Paralelo, do Shadow BI.

O que me leva à uma forçosa conclusão:


Não existe Data Discovery. Não existe Data Lake. Não existe qualquer-coisa-BI-self-service, como eu venho argumentando há algum tempo, aliás.

O que existe é um mercado de softwares para a TI Paralela, e Self-Service Business Intelligence é um desses sub-mercados.


Quando eu me sentei para escrever esse artigo minha visão era colocar Shadow IT e o movimento de BI Self-Service lado-a-lado e, por meio de alguns paralelos, questionar se o que estava acontecendo não era a ascenção da Shadow IT, muito mais que o crescimento do auto-serviço. Só que eu não estava preparado para o que eu descobri: como sempre, eu recolho algumas referências para alimentar meus argumentos1, mas eu encontrei uma extrema dificuldade (leia-se: uma infrutífera hora googlando sem resultados) para encontrar propagandas, anúncios, posts esgoelando sobre “como a ferramenta X vai te dar independência da TI”.

Ao invés disso eu encontrei declarações contemporizadoras, suavizando o embate entre TI e usuário pelo acesso aos dados. Uma situação praticamente impensável a até um ano atrás, ou menos.

Eu não acredito em ferramentas de exploração de dados totalmente dominadas por usuários de negócio – self-service, data discovery – porque isso demanda um conhecimento e habilidade fora do alcance de 99% dessa comunidade. Acho mais fácil acreditar em um departamento de TI paralelo, translúcido, oculto nas dobras do continuum espaço-tempo, digo, corporação-tempo.

No fundo, você sempre precisa tratar os dados, sempre precisa de profissionais que só vão ser encontrados no departamento de TI. Me parece que a que mudou não foi o poder, da TI para o usuário, mas sim o que é a TI, que saiu do departamento e foi para mais perto do usuário final.2

Ufa!

Até a próxima! ;-)


  1. O que me deixa aberto ao viés de confirmação, acusação da qual eu me declaro totalmente culpado. ;-) 
  2. O título é um infame trocadilho. Não deu para aguentar, perdão. 

Desculpe o Transtorno

… Estamos em obras para melhor servi-los.

Eu sempre quis dizer isso!! :-D

E daí que é um lugar-comum? Nada expressa tão bem o que eu quero dizer. O GeekBI vai passar por algumas mudanças, e isso pode causar algum desconforto. Por favor, aguentem firme!

Eu comecei o blog em 2012, quando decidi criar vergonha na cara e parar de poluir meu outro blog, o Solução em Aberto, com posts de BI. Eu precisava escrever, por mim, para botar as idéias para fora e me livrar das vozes nas minhas cabeças. Ops, cabeça. Vozes é plural mesmo, tá certo. Naquele ano já tínhamos muitas coisas que temos hoje, como smartphones e tablets, mas o layout escolhido, chamado INove, já era antigo. Ele era o tema do blog de um membros-fundadores da Pentaho e eu gostei muito – simples e relativamente “limpo”, cores discretas. Decidi ficar com ele.

Escolhido o tema, configurei o que faltava e vamos que vamos! Desde então eu não mudei nada por aqui, nem mesmo a disposição do widgets, essas seções que dividem na página espaço com cada post. Para vocês terem uma idéia, só hoje eu traduzi a mensagem para assinar a lista de comunicados do blog, que eu chamei de Stalk me.

Nossa, eu fui tão sem-noção! Eu configurei tudo meio na gozação, sendo diferentão… Era só para mim, mesmo, eu pensava. Ninguém vai olhar, eu dizia a mim mesmo…

Aos poucos apareceram meus fiéis leitores, que semana após semana voltam aqui, prestigiando minhas mal-traçadas linhas com suas visitas.

E daí vieram os livros! Agora além de leitores, eu tenho clientes, pessoas que pagaram para ler algo que eu escrevi.

Não dá mais para continuar com um tema tão simplório, que nem sequer suporta dispositvos móveis. Não dá mais para deixar a cargo do WordPress.com a notificação sobre novos posts. O layout precisa melhorar, o tratamento dos visitantes, o reconhecimento dos meus clientes…

Então é isso: nessas próximas semanas várias mudanças vão acontecer. Provavelmente o blog vai mudar de cara algumas vezes, as seções vão mudar de lugar, e até a forma de falar com vocês vai sofrer um upgrade: eu abri uma conta no MailChimp, uma ferramenta on-line (é nuvem que se diz hoje em dia, velho!) de mala-direta, pensando em formas de melhor servi-los.

Vamos ver se eu consigo. Até lá…

Teste

:-)