Treinamento SpagoBI 4Linux

O treinamento acabou semana passada, mas eu só tive tempo de retomar esse post (que começou com o treinamento) agora.

Muitas coisas novas e principalmente uma nova visão do SpagoBI.

What is in a name?

Antes de mais nada, o nome: spago é italiano para cordão, barbante, e é a metáfora usada pela Engineering para o conceito de integração de software livre para criação de soluções complexas. Mais ou menos a mesma coisa que eu prego neste post do meu outro blog, Solução em Aberto. Vem daí, eu acredito, a palavra que descreve o macarrão fino e comprido – spagetti.

Logo, SpagoBI não tenta evocar a Itália com a estilização de uma palavra famosa mundialmente (era o que eu pensava), mas sim especificar a parte da visão de integração da Engineering para BI!

Acredite se quiser, isso simplificou muito a compreensão do SpagoBI.

O que é o SpagoBI?

SpagoBI é uma plataforma de integração de componentes, que reúne componentes externos mas também traz componentes criados pela equipe da SpagoBI, como GIS e Real Time BI.

Do começo: ele não é uma suite de BI nos mesmos moldes do Pentaho. Ele é uma ferramenta de construção de soluções de visualização de dados, voltada para facilidade de integração. Ele não inclui, por exemplo, uma ferramenta de ETL. Para quaisquer necessidades de ETL, a Engineering recomenda o uso do Talend. Entre outras coisas (como um relacionamento comercial significativo na Itália), o SpagoBI Server possui a capacidade de rodar jobs Talend. Como disse o Andreas, SpagoBI é ETL-agnostic.

Todas as suas funcionalidades são pensadas para ajudar o provedor de serviços e soluções (que pode ser um integrador ou um departamento da sua empresa) a criar a funcionalidade de visualização de dados que você precisa.

Como funciona?

Grosso modo, o SpagoBI amarra um metamodelo – criado com o SpagoStudio – a um recurso chamado Analytical Driver e disponibiliza relatórios e ferramentas de relatórios ad-hoc via web, com controle de acesso por usuário e papel.

O metamodelo é um mapeamento da camada física de um banco de dados em uma camada lógica, de apresentação, e é feito no SpagoStudio, um Eclipse especialista. O metamodelo absorve toda complexidade do relacionamento entre os dados, simplificando a criação de relatório e integrando-se completamente ao Analytical Drivers.

Analytical Drive é a combinação de papéis com filtros de exibição. O desenvolvedor deve criar os ADs que atendem a comunidade de usuários da empresa e associá-los a cada recurso disponibilizado (relatório, gráfico etc.) Boa parte do curso foi dedicado a explorar a flexibilidade e o poder desse recurso.

A maioria dos relatórios pode ser criada com a ferramenta de relatórios ad-hoc via web do SpagoBI, que é muito boa e tem capacidade de criar relatório sofisticados, com uso de gráficos, subrelatórios etc. Se relatórios mais complexos forem necessários, o SpagoStudio traz embutido o BIRT. BIRT é uma ferramenta de relatórios open source muito flexível e poderosa, que foi pensada para o mundo web. Como reflexo desse direcionamento, por exemplo, é possível embutir códigos JavaScript no relatório, e fazê-lo muito mais versátil – uma coisa mais difícil com outros geradores de relatório, como o Jasper Reports e o Pentaho Report Designer.

Diferenças

Uma pergunta que foi feita logo de saída, e não foi por mim (hehe), é “qual é a principal diferença entre Spago e Pentaho.” Segundo Andrea, é o business model: o SpagoBI tem apenas uma versão, a comunitária, e usa-a para tudo, já que a Engineering foca em vender serviço com a ferramenta, e não a ferramenta. A suite Pentaho, por outro lado vêm em duas versões: comunitária, gratuita, e corporativa, paga – justamente porque a Pentaho Corp. vive de vender suporte e licença. Apesar de versão comunitária Pentaho ser completa e fazer tudo que a corporativa faz, essa faz as mesmas coisas com um acabamento bem melhor.

Na verdade, os outros fornecedores de ferramentas de BI – Pentaho, Jasper, Talend etc. – vendem ferramenta, e nesse ponto são todos diferente do SpagoBI.

Conclusão

O SpagoBI é uma grande ferramenta, com muitos recursos, pensado para criação e integração de soluções de BI. Ele tem uma curva de aprendizado mais inclinada, e demanda um certo acúmulo inicial de conhecimento, mas depois dessa etapa – que ainda assim é acessível ao autodidata – ela se torna muito produtiva.

A principal vantagem do SpagoBI, na minha opinião, é que ele está sendo trazido ao Brasil pelo maior nome do mercado de software livre: a 4Linux.

Eu sou suspeito para falar deles (sou um grande fã da empresa), mas é notória a qualidade de seus cursos e impressionante sua lista de clientes – EMBRAER, Ministério da Educação, Casa da Moeda, EDS, Caixa Econômica Federal e Banco Votorantim para citar os que aparecem no site.

4Linux Representa SpagoBI no Brasil

Semana passada estive no FISL’13 e soube que a 4Linux passou a representar o SpagoBI no Brasil. Legal! Ainda que eu seja fã do Pentaho, BI é um jogo de idéias, conceitos e ações – não de ferramentas.

Durante o evento eu fui convidado a participar desse treinamento, o que eu aceitei prontamente (e alegremente, diga-se de passagem ;-) .)

O curso está comecando: Andrea Gioia, instrutor da SpagoBI, já preparou os slides, a turma chegou…

Eu tentei instalar o SpagoBI pela primeira vez em 2007, e não consegui – eu mal havia acertado iniciar a PCI (e precisei de ajuda), que dizer de outro software do mesmo tipo! Enfim, apanhei como cachorro magro. Espero que eu não esteja além de qualquer esperança e, agora com professor, eu consegui aprender! ;-)

Vamos nessa!