Resenha: Pentaho BA Cookbook

A Editora Packt lançou em agosto de 2014 um novo membro da família de “cookbooks”, por Sérgio Ramazina: Pentaho Business Analytics Cookbook, primeira edição.

O hoje defasado Pentaho Solutions foi a primeira fonte oficial de informações sobre a plataforma, mas ele não era um livro prático, ainda que bom. Mesmo que já conhecia e usava a plataforma precisava bater um pouco a cabeça para aproveitar o conhecimento ali depositado. Muitos de nós precisávamos mais do que aquilo. Nós precisávamos de receitas prontas para resolver os nossos problemas e dificuldades com cada componente da Suite Pentaho. Esse é o nicho que a Editora Packt vem preenchendo diligentemente: já são CENTENAS de “cookbooks” – literalmente “livros de receitas” – cobrindo todo tipo de necessidade de TI.

Neste volume estão cobertas várias receitas a versão 5.0 da Suite Pentaho, hoje a mais nova. Excetuando o PDI, que já tem uma boa meia-dúzia de livros na Packt, ele aborda praticamente tudo o restante: BA Server, Metadata Editor, Schema Workbench, PRD, e algumas operações com a Enterprise Edition além de um pouco de C*Tools.

The Good

É um compêndio relativamente completo de tudo que merece atenção na plataforma:

  • BA Server: como configurar fontes de dados JNDI, integrar com LDAP e gerenciar fontes de dados;
  • Metadados: é o primeiro lugar que mostra como usar “concepts”, além de outras dicas importantes (como criar campos calculados e junções complexas);
  • Schema Workbench: como criar um cubo, como membros calculados e tudo;
  • PRD: muito completo, com receitas para construir relatórios com prompts e sub-relatórios, incluindo o uso de “sparklines”, além de usar transformações do PDI como fontes de dados.

Não bastasse a grande quantidade de receitas, todas úteis, o livro ainda vai além disso e oferece receitas de coisas menos buscadas, como customização da interface e introdução ao CDE (C*Tools) – sempre com exemplo prático.

A obra também traz receitas sobre o Pentaho Enterprise Edition, o que leva seu nível a um outro patamar. Apesar de a versão comunitária ser capaz de oferecer todos recursos, a adoção da EE está crescendo, e muitos recursos ainda restam por ser plenamente utilizados por esses clientes. Se o livro já é útil pela simples qualidade e pela variedade de receitas, ele se torna ainda mais interessante com receitas que cobrem:

  • Analyzer: cliente OLAP;
  • Dashboard Designer: editor de dashboards
  • Interactive Report: para criação de relatórios ad hoc via web (parente do Saiku Reporting e do finado WAQR);
  • Mobile: a interface para iPad e celulares.

Mais do que ajudar quem possui o EE, o livro mostra grandes detalhes do produto a quem não o possui. Na minha opinião isso é excelente, porque dá a chance de conhecer de perto as vantagens do EE – que é um produto de alta qualidade e (muuuuito) baixo custo.

Finalmente, o livro não apenas tem uma lista extensa de como-fazers, mas o formato de livro de receitas da Packt traz a receita em si e explicações de como e porque as coisas acontecem, e orientação sobre que direção seguir para obter mais informações, ou o sobre o que mais há para aprender. Todas as receitas têm ao menos uma figura, e todas as figuras são claras e bem definidas. O formato Kindle (no qual eu li o livro) sempre piora um pouco as imagens, mas mesmo assim ainda ficou muito bom.

Pelo detalhismo do conteúdo, sua amplitude (incluindo muitas coisas de CE e EE) e a usabilidade de todas as receitas, o Pentaho BA Cookbook mostra-se mais um volume indispensável para quem usa a Plataforma Pentaho no seu dia-a-dia, para o estudante eventual e mesmo para o iniciante.

The Bad

Que não reste dúvida: o livro é muito bom e muito útil. Se você precisa aprender sobre a Plataforma Pentaho, versão 5, esse é o livro.

Isto posto, há um bocado de coisas que ainda não estão 100%:

  • A versão Kindle não tem as divisões de capítulo: se você arrastar o dedo na tela, o livro pula para o início ao invés de para o capítulo seguinte/anterior;
  • Algumas das receitas são muito triviais. Se o leitor precisa daquela receita, então ele precisa de ajuda também para instalar os programas, mas o livro não mostra isso (claro: livros de receita não ensinam a comprar fogão e a ligar o fogo!)
  • Senti falta de receitas importantes, como instalar o BA Server CE com outros bancos de dados. Essa orientação existe no Pentaho Infocenter, e por isso talvez não tenha sido incluída. Mas algumas outras coisas existem no Infocenter e mesmo assim entraram no livro;
  • Senti falta de receitas de performance, como instalação de cache externo e aplicação de tabelas pré-agregadas;
  • Há um pouco de mistura de assuntos, e a separação ainda pode ser melhorada. Por exemplo, há um capítulo só com receitas da nova interface do BA Server, bem no início, e um outro com receitas sobre agendamento quase no final. Como é tudo assunto do BA Server, talvez fizesse mais sentido estarem juntas ou no mínimo subsequentes;
  • Plugins: a quantidade de plugins no Pentaho Marketplace vem crescendo a olhos vistos, mas o livro aborda apenas dois plugins (Saiku e Logs), além da internacionalização;

Nenhuma dessas coisas atrapalham o livro, mas elas estão lá (ou não) de qualquer forma.

The… Italian

A Packt é uma editora internacional, verdadeiramente global e seu elenco de escritores reflete isso: eles têm gente literalmente do mundo todo e o fato é que todos precisam escrever em, no mínimo, inglês. Há essa multitude de culturas e línguas forçosamente enquadradas em uma língua (para o autor) estrangeira. Resultado: uma presença maior ou menor de expressões curiosas, atípicas do inglês falado por nativos.

O Sérgio Ramazina é italiano e como bom latino (assim como nós, brasileiros), tende a pensar em inglês mais literalmente. Por exemplo, quase dá para ouvir seu sotaque em expressões como “This is the idea that stays behind the concept of(…)” (locus 2028.) Um nativo escolheria uma frase mais sintética, com outro verbo:  “This is the idea behind the concept of(…)”

O autor meio que esgotou a cota dele desses regionalismos, mas isso não chega a atrapalhar a leitura. Com certeza causam alguma estranheza em quem esteja mais acostumado ao inglês escorreito, mas para mim, latino com o Sérgio, essas expressões são transparentes porque fazem sentido em português. Talvez leitores de outras nacionalidades sintam alguma dificuldade – como quando eu preciso reler trechos escritos por japoneses, por exemplo.

Conclusão

Instalou a versão 5 da suite Pentaho? Migrou e agora precisa fazer o que já fazia? Quer começar com Pentaho, baixou o produto mas agora está em dúvida sobre como realizar cada tarefa?

Então o Pentaho BA Cookbook é o seu livro: rico em receitas úteis, detalhadas e bem explicadas. Ele aborda assuntos variados, todos relevantes, sobre o servidor e alguns dos clientes Pentaho. Ainda que precise de algumas melhorias (e nestas não se incluem as idiossincrasias de autor), e não traga absolutamente tudo que existe (o que seria um exagero de qualquer forma), esse é o livro sobre a versão 5.0!

Anúncios

Tabelas Boneco para Prompts no PRD

Recebi um problema novo para tratar, que já veio com solução. Me passaram um relatório a ser desenvolvido no Pentaho Report Designer (PRD) que deve ter vários prompts (parâmetros.) Alguns são caixas de texto simples, como nome do projeto, e outros vêm de consultas, como lista de departamentos. Dois ou três deles, porém, são listas que não vêm de nenhuma tabela. O PRD só popula drop-downs, radio buttons e check boxes a partir de um SQL (ou eu acredito que só faz assim – não investiguei muito mais.)

O fato é que eu precisava de uma consulta dummy (boneco) que retornasse algumas linhas, tais como “sim, não, talvez” para alimentar um radio-button. Como eu disse, recebi o relatório, e ele veio com um desses casos resolvidos. Eu examinei a consulta:

SELECT TEXTO,VALOR
FROM
(SELECT ‘Sim’ AS TEXTO,’1′ AS VALOR
UNION
SELECT ‘Não’AS TEXTO,’2’ AS VALOR
UNION
SELECT ‘Talvez’ AS TEXTO,’3′ AS VALOR) AS DUMMY
ORDER BY 2

Oras! Essa eu não sabia! É uma tabela dummy!! A consulta foi escrita para Postgres, mas com certeza existem comandos equivalentes para MS SQL Server, Oracle, MySQL e outros bancos.

Genial, não? :-) E nem fui eu quem fez isso!

Então é assim: sempre que precisar de uma lista que não existe em uma tabela para popular um prompt no PRD, construa a consulta boneco acima e seja feliz.

É isso.

ADENDO: a consulta tinha dois erros, um de nome de campo e outro de aspas simples em volta dos valores. Corrigido. Nada como tomar o próprio remédio…

Please select something for undefined

Quando rodamos um prompt do BI Server 3.8 no Firefox +4 (e em vários outros browsers), ele responde com uma mensagem “please select something for undefined.” A solução para esse caso é relativamente simples:

  1. Com o BI Server parado, abra o arquivo ./biserver-ce/tomcat/webapps/pentaho/js/parameters.js
  2. Procure o trecho if( lastName != null ) {
  3. Altere o código, substituindo as linhas

    if( elements[i].name != lastName ) {
    if( lastName != null ) {
    var ckRtn = checkParams( form, element.type, lastName, gotOne );
    if( ckRtn == 0 ) {
    return null;

    por:

    if( elements[i].name != lastName ) {
    if ( (lastName != null) && (lastName != “”) ) {
    var ckRtn = checkParams( form, element.type, lastName, gotOne );
    if( ckRtn == 0 ) {
    return null;

  4. Salve a mudança e inicie o BI Server.
  5. Abra seu browser e limpe o cache.

Pronto, os prompts criados por XAction deve passar a funcionar normalmente.