O sonho de consumo do Kiko.

Um ex-aluno meu me mandou um e-mail sobre o post BI Morreu, Vida Longa ao BI!:

Bola quadrada

Lembra-se do episódio do Chaves em que o Kiko pediu ao Prof. Girafales uma bola quadrada? Tirando a parte cômica, que obviamente era a intenção, muitos devem ter ficado a imaginar que sujeito chamaria de “bola” um objeto quadrado.

A minha percepção do mercado de BI é que tem um monte de gente discutindo “bola quadrada”. Alguns o fazem intencionalmente (marketing/buzzwords) outros por não ter a noção de que uma “bola” (BI) precisa ter um formato esférico (coleta de dados, transformação e análise visando a administração do negócio.)

E isso só é possível, na minha humilde opinião, por caudas dos seguintes fatores:

Definição

Bolas são objetos físicos. É muito fácil saber quando uma bola não é uma bola. Quando alguém aponta um cubo e o chama de bola, todo mundo corrigi-lo-á (kk) porque os atributos fisicos de uma bola são muito comuns e fáceis de se observar. Em BI, apesar de termos uma definição, não estamos falando de um objeto fisico, e isso complica tudo, sem falar que cada um tenta definir BI à sua maneira.

Palavras só tem sentido porque acreditamos nelas.

“E daí que estão chamando uma rosa por outro nome? Ela ainda é uma rosa”, dirão muitos.

E por falar em rosa, imagine um mundo onde todos têm a palavra “rosa” apagada da mente. Nesse mundo, quem por um acaso encontrar uma rosa, chama-la-ia de quê? De BI? Datalake? Rosalake? RSRSRs.

Uma coisa/objeto só tem um nome porque convencionamos que eles assim o teriam… Se, nos próximos mil anos, o nome do objeto que hoje chamamos de rosa mudar para fruta e o que chamamos de fruta para flor, não fará diferença – desde que todos concordem, ou sejam, desde que todos passem a usar isso na prática.

Empresas visam o sucesso

Por óbvio. Ninguém monta um negócio para perder dinheiro. Como sabemos, BI já foi chamado de SAD (Sistemas de Apoio a Decisão), de Inteligência Empresarial, de DW (!) etc.

Vejo essa fluidez das definições como uma estratégia da indústria para continuar vendendo suas “soluções”, pois sempre que algo dá muito errado – e projetos de BI tendem a dar errado por sua complexidade e por tocar na fonte do poder das organizações, que são as informações – “eles” (o mercado, a indústria, chame como quiser) trocam o nome do “BI”.srsrs

Francamente, eu não tenho o que adicionar. Esse post, aliás, é só para mostrar o que ele escreveu: muito obrigado, meu caro.

Eu estou nesse mercado desde 2000, e em abril completo 17 anos lidando com BI. Eu testemunhei isso várias vezes, em primeira mão até. É só olhar quem levou o termo BA ao mercado: o SAS. A expressão BI estava ficando queimada de tanto que todos chamavam tudo indiscriminadamente de BI. Como a proposta do SAS é muito mais sofisticada que uma apenas ferramenta ou uma caixa preta qualquer, eles se movimentaram para lançar um termo novo – aí por 2004-2006. Colou, até certo ponto, já que muitos hoje preferem falar Analytics a BI.

Uma coisa que acabou saindo nessa conversa é um novo significado para Kiko: “aquele que pede uma bola quadrada”. Minha jornada pessoal, dia-a-dia, é fugir de ser o Kiko. Por mais que isso possa parecer irrelevante, para mim entender como as coisas funcionam é importante. Eu me esforço para entender que coisa é que coisa, e que coisa é outra coisa.

Que coisa confusa…

Eu luto todo dia para não ser um Kiko. Talvez um dia eu consiga ganhar. ;-)

Até a próxima!

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s