A revista exame publicou, em 5 de março deste ano (2016), um artigo comentando sobre o mercado de trabalho para “Cientistas de Dados”.

Eu sempre implico com nomes “da moda” porque, na minha opinião, eles desvalorizam o profissional sedimentado, experiente, abandonando expressões que funcionam por um palavreado mais colorido. Ocasionalmente a coisa muda, claro, e esses nomes precisam mudar junto, mas em TI há uma competição disfarçada para ver quem vem com a próxima buzzword. No final essa disputa acaba por atrapalhar a vida da TI porque tanta mudança forçada impede a construção de senso comum e de uma cultura particular.

Pergunte a um engenheiro mecânico o que é um carburador, ou se eles usam “camâras adiabáticas para oxiredução explosiva”. Ou para um financista se ele fala juros compostos, ou “taxa de interesse recursiva”.

Entendeu a idéia? Para quê mudar uma expressão se ela adequa-se perfeitamente?

Pior: uma pessoa errada, mas com muita certeza, vai levar outros a errar também. É preciso estar de posse de um conhecimento sólido para poder resistir à pressão do hype corrente.

Big Data, Hiper Hype

Nestas últimas semanas eu tenho escrito sobre BigData, mas ontem eu não tinha assunto. Eu não sabia sobre o que postar, e depois de um dia cheio e tela em branco, eu simplesmente desisti.

Sem inspiração? Que tal tocado como gado?
Sem inspiração? Que tal tocado como gado?

Hoje eu acordei e olhei de novo para minhas anotações e achei este rascunho aqui, sobre a Revista Exame, e vi um bom fechamento para a série. Junte-se a isso que eu repeti minha palestra sobre BigData para a Fatec Zona Sul, cujo foco era desfazer confusões antes de começarem.

Leia a reportagem, é interessante. Entretanto, lá no meio, quando tudo estava indo bem, algo dá errado:


“O big data não se resume a um processo de automação. Seu objetivo é entender melhor o que acontece numa empresa, o que os clientes querem e, assim, modificar o negócio”, diz Jorge Sanz, diretor do Centro de Business Analytics da Universidade Nacional de Singapura, um dos grandes centros de big data da Ásia. Esse processo requer softwares capazes de captar os dados relevantes — e, acima de tudo, pessoas treinadas para interpretá-los.


Eu copiei o parágrafo inteiro como está. Releia. Releu? Entendeu? De novo, devagar:

“O big data não se resume a um processo de automação.”

“O” big data? Agora é uma coisa só, um objeto que anda por aí, e não mais uma tecnologia, mas um objeto. Ok, vamos dar uma colher de chá, já que muitos profissionais ainda chamam BI de “O” BI.

“Não se resume a um processo”: então “big data” é um processo? Se ele diz “não se resume”, então ele já classificou o assunto como um processo; apenas vai adiante e diz que não é apenas um processo – mas implica que é um de qualquer forma. Ou seja, passou de tecnologia-objeto (que demanda o tal do artigo definido masculino singular, “O”) para uma coisa que também é um processo. Mais uma confusão, mas vamos relevá-la de novo, em favor da prosa da reportagem.

“De automação”: e de onde veio isso? Do parágrafo anterior no artigo, onde ele começa associando computadores a automação. Até são coisas relacionadas, mas chamar Hadoop de automação é um pouco demais. Mas mesmo assim, vamos em frente.

E aqui o assunto descarrilha de vez:

“Seu objetivo é entender melhor o que acontece numa empresa”

É um repórter competetente, entrevistando um executivo relevante de uma enorme instituição financeira nacional. Quer dizer, não é um par de manés, não! São profissionais experientes, gabaritados e entendidos no assunto…

… que meteram os pés pelas mãos. Há décadas existe um termo que usa como definição justamente essa frase – Seu objetivo é entender melhor o que acontece numa empresa: Inteligência de Negócios, vulgo BI.

O que ele fez foi chamar uma coisa de outra. Foi vender banana anunciando carambola, já ambas são compridas, amarelas, tem casca, são frutas… Só que não são a mesma coisa! É um esforço feito para dar ribalta a uma expressão da moda, dando um gancho (sigam este link, é hilário!) em outra!

Fora, Inteligência de Negócios! Agora queremos "o big data"!
Fora, Inteligência de Negócios! Agora queremos “o big data”!

Existe uma outra explicação, que é dizer que ele não sabia mesmo do que estava falando, mas isso é um pouco demais para aceitarmos. Afinal, é a maior revista de negócios do Brasil, não um panfleto de bairro. Não atribuiriam a um repórter uma tarefa que ele não conseguisse desempenhar adequadamente. Isso feriria a reputação de ambos – revista e repórter. A menos, claro, que seu público não fosse capaz de perceber a confusão, mas aí é demais para aceitarmos porque estamos falando de um público qualificado, líderes, executivos e profissionais de todos os ramos, conhecedores de assuntos mil…

Entenderam como funciona? Ninguém tem bem certeza do que é algo. Aí a moda vem, avassaladoramente, e sacode tudo junto. No final fica parecendo aquela piada:


O bêbado entra no ônibus, passa a roleta e vai para trás. De lá, grita:

  • Do lado direito todo mundo é palmeirense! Do lado esquerdo todo mundo é corintiano!

Ao ouvir isto, levanta um do lado direito e fala:

  • Eu não sou palmeirense!!!

E todo os passageiros começaram a xingar o bêbado e ameaçando cobri-lo de bolacha. O motorista, para evitar confusão, freia bruscamente e todos caem. Um dos passageiros se levanta, pega o bêbado pelo colarinho e pergunta:

  • Fala de novo, safado! Quem é palmeirense e quem é corintiano?!

  • Agora eu não sei mais. Misturou tudo…


Não dá mais para saber quem é quem, porque o jornalismo especializado misturou tudo.

Conclusão

A reportagem segue nesse mesmo ritmo, dando novos nomes a coisas já estabelecidas. Por exemplo, em certo momento ele diz que os cientistas de dados têm remuneração superior à dos técnicos, que até o surgimento do big data eram os responsáveis por cuidar da manutenção dos bancos de dados. Ele misturou DBAs com analistas de DW/ETL, com Analistas de Data Mining, com Hadoop, com Bancos Relacionais… Em metade de um parágrafo, em menos de 30 palavras, causou-se estrago para pelo menos três áreas:

  • DBAs fazem a mesma coisa que cientistas de dados se você não usar “big data”;
  • Cientistas de Dados são DBAs para “big data”;
  • A manutenção de um Hadoop, uma plataforma de clusterização escrita em Java, é feita por um cientista de dados, enquanto que a de um Oracle, um banco de dados relacional, é feita por um técnico, e são a mesma coisa do ponto de vista funcional;
  • E Data Mining?

Esse tipo de artigo confunde um número de conceitos complexos para uma audiência em geral leiga nestes mesmos tópicos. Por ser um veículo de projeção nacional e respeitado, bem-conceituado, muitos tomam o que sai ali por fato, por verdade canônica. Aos poucos essas confusões tomam o lugar das verdades nas empresas, impactando planejamento, contratações, e até debates. Como é que um cara qualquer, um joão-ninguém como eu pode argumentar com o “repórter da Exame”? A quem acreditam vocês que o público atribui maior conhecimento? :-)

E pior ainda: como é que um profissional recém-formado pode querer colaborar com a empresa, se tudo que ele fala é contestado pelo chefe que viu tudo diferente na revista de negócios mais famosa do Brasil?

Tem mais razão e está mais certo que fala com mais convicção? Não, né? Repasso aqui o conselho que dei àqueles alunos das FATECs:

Use sua inteligência para filtrar. Critique e questione tudo. ;-)
Use sua inteligência para filtrar. Critique e questione tudo. ;-)

É isso. ;-)

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s