Eu já escrevi um pouco sobre como projetos de BI “acontecem”. Em Cruel Sucesso eu divaguei sobre a eterna sensação de fracasso que algubs projetos de BI experimentam, mesmo que ele esteja indo de vento em popa. No Todos os Caminhos Levam a um DW eu me diverti escrevendo uma história maluca sobre um projeto de BI fictício, que nasce como uma planilha Excel e cresce como mandiopã, até explodir e voltar ao começo. Mudando o foco para requisitos, eu discorri sobre Ágil e BI (De Agilidade e BI), para descaradamente anunciar meu curso de requisitos de BI para gestão ágil.

Quase sempre esses posts vem do nada, motivados por alguma situação pela qual passei. Eu estava com o novo fascículo da série Soluções Clássica quase pronto (Credit Scoring), mas aconteceu de novo: me meti num debate sobre o que era um “bom” projeto de BI.

Bom, eu tenho uma idéia do que deve ser um. Vou dividir com vocês a opinião que eu coloquei no debate, mas já sabem, né?


Disclaimer: o que você vai ler é a minha opinião, logo você não é obrigado a gostar dela ou concordar. Terei prazer em ouvir críticas ou outras opiniões, mas no final – como diz o Homer Simpson – a opinião é minha e faço com ela o que quiser, certo?


Sucesso Não Existe

Primeiro, não existe mundo perfeito. Não adianta sonharmos com a próxima grande ferramenta para resolver nossos problemas, porque o melhor que pode acontecer é resolvermos os problemas atuais e caírmos em novos. O que faz a diferença, na minha humilde opinião, é evitarmos empacar. Se empacamos, o projeto começa a fazer água, e quanto mais tempo demoramos para resolver o problema da vez, menos relevante o projeto de BI se torna, até que um dia todo mundo está se virando sozinho e o projeto é mantido vivo apenas com auxílio de aparelhos.

O que torna um projeto bom, de sucesso, então, é o fato de ele estar sempre em movimento, resolvendo cada problema como um corredor salta obstáculos: pula, corre, pula, corre, pula, corre… Eventualmente, um dia a coisa toda entra em velocidade de cruzeiro, a quantidade de erros cai substancialmente e a empresa desenvolve uma cultura de BI. Esse é o projeto de sucesso: falível, sempre precisando de alguma melhoria, mas que entrega resultados e é acreditado pela organização, sustentado pela cultura de conhecimento da empresa.


Um projeto de BI de sucesso, IMHO, é aquele que resolve um problema atrás do outro, sempre entregando um pouco mais de resultados a cada etapa, capaz de suplanta as próprias limitações e ir ao encontro das expectativas do cliente.


O Caminho para o Sucesso

Ora, dirão vocês, bolas. A definição acima é uma rematada platitude: não diz nada de realmente útil ou prático. Concordo. Vamos escrevê-la ao contrário para ver se fica mais claro:


Fracassa o projeto de BI que persistir em trilhar caminhos sem saída.


Consegui me fazer entender? Quando optamos por este ou aquele caminho, corremos o risco de enveredar por uma rua sem saída. Projetos – de qualquer tipo – que reiteradamente optam por entrar em becos sem saída acabam morrendo porque, cedo ou tarde, a organização se cansa de tanto vai-e-vem! Quer seguir no caminho para o sucesso? Esforce-se por evitar decisões ruins!

Decisões, Decisões, Decisões

Devo ter engolido o grilo falante quando era criança, pois eu sempre escuto uma voz fininha, tirando onda com a minha cara. Desta vez ela disse “Intelijumento! Se soubéssemos que decisão vai dar errado, não a tomaríamos! Dã!”

Óbvio, claro, não se questiona isso. É a própria essência do processo decisório, é a meta personificada de se fazer uma escolha: fazer a escolha certa!

Como saber se uma opção, e não a outra, é a correta? Ah, de muitas formas. Em alguns casos estamos passando pelo mesmo problema uma segunda vez. Se da primeira fizemos a escolha certa, tendemos a repeti-la, e vice-versa: deu errado antes? Vamos tentar outra coisa. Em outros casos não conhecemos, ainda, as consequências de cada caminho, mas podemos avaliá-las com o que estivar à mão – opiniões, análises estatísticas, jogar cara-ou-coroa – e escolher a que parece melhor.


Em último caso, recorra a um taxista: eles sempre sabem o que os outros deviam fazer. ;-)


O Que Funciona?

E aqui chegamos no ponto em que eu queria: o que funciona em um projeto de BI? Como montar um projeto que vai empacar menos?

Armazéns de Dados

Um bom DW é fundamental para qualquer projeto de BI de sucesso. Você pode se virar com dumps, ODFs, Data Lakes, mas esses caminhos são becos sem saída: cedo ou tarde o peso da falta de integração dos dados (dumps e Data Lakes) e das manutenções de modelo e ETL (ODFs e EDW Dimensional) vão afundar seu projeto – mesmo que todo o restante funcione.

Logo, lição número um: monte um bom projeto de DW, capaz de incorporar novas fontes num estalar de dedos e de produzir novas apresentações de dados em dois palitos. Quem acompanha meu blog já sabe o que isso significa: Data Vault.

Equipes

Ferramentas são importantes, mas não são nem metade da solução. Problemas são resolvidos por pessoas com conhecimento e competência para aplicar ferramentas, não pelas ferramentas. E outra: muito ajuda quem pouco atrapalha – gerente bom é gerente quietinho, que serve a equipe, ajudando a remover obstáculos.

Processos

Há dois grupos de processos dentro de um projeto de BI, especificamente:

  • Processos de Desenvolvimento;
  • Processos de Atendimento.

O primeiro é batata: é o processo pelo qual a equipe (parte dela, na verdade) mencionada acima produz os resultados requisitados pelo cliente.

O segundo processo é virtualmente ignorado pela comunidade de praticantes de BI: é o processo pelo qual a outra parte da equipe apóia o cliente. Sim! É o time de “vendedores”, instrutores e tutores, que trabalham com o cliente para entender o que ele precisa e transformar isso em requisitos, que serão tratados pelos desenvolvedores; que ajudam cada novo usuário a aprender a usar as ferramentas e os dados do projeto. O tutor é uma figura inexistente na literatura, mas pode ser visto como um instrutor particular, que vai resolver o problema do usuário uma primeira vez, e ajudar o usuário a repetir esses passos. Ele é diferente do instrutor, que ensina a usar o que está pronto. O tutor cria coisas novas – novas práticas, novos usos dos dados, novos requisitos.

Processo de Desenvolvimento

Não tem segredo: waterfall [bigbang][bigbang_bitly] não funciona, ponto final. A única forma de gestão de projetos que dá certo é Ágil, e neste ponto Scrum é o meu preferido.

Processo de Atendimento

De novo, não tem segredo: um grupo de vendedores (ou evangelistas/analistas de requisitos) e apoiadores (instrutores e tutores) expostos exaustivamente, com uma mensagem clara: Precisa de dados? Me ligue!. Eles interagem com o processo de desenvolvimento alimentando novas histórias no backlog (para os vendedores), com o cliente por meio de chamadas de suporte (tutores/suporte técnico) e com a empresa por meio da capacitação corporativa.

Soluções

Todo projeto de BI usa quatro tipos de soluções:

  • Apresentações;
  • Relatórios;
  • OLAP;
  • Data Mining.

As três primeiras são baseadas em ferramentas, e portanto são resolvidas pela incorporação de profissionais das respectivas ferramentas ao time. Já a última é tratada como uma conjunto de projetos-filhos e raramente é tratada in house. O normal, para soluções que envolvem Data Mining, é contratar uma empresa especializada no assunto desejado.


E os painéis? Painel não é solução de BI, é ferramenta de (tcham-tcham-tcham-tcham-tcham!) apresentação de dados (e não, não é ferramenta de análise! Quem analisa é OLAP e Data Mining.) Logo, você pode ler o primeiro item da lista acima como “dashboards“. Porém, há muitas formas de se apresentar dados e eu evitaria fechar esse escopo prematuramente, jogando tudo na vala comum “painel”.


Um bom projeto de BI precisa incorporar essas categorias, sem exceções. Não precisa oferecer tudo ao mesmo tempo, desde o dia 1, mas deve garantir que o roadmap vai contemplá-las ao longo do caminho. Como conseguir isso? Tente incluir no seu time um generalista de BI, aquele cara que entende um pouco de tudo, e sabe como os assuntos se interconectam, como amadurecem ao longo do ciclo de vida do projeto.

Se você não puder contar com um membro permanente, aceite um membro flutuante, como um coacher, por exemplo. Se não existir na empresa, procure um consultor externo. Raramente um profissional desse cresce durante um projeto de BI, e você só vai achar um na sua empresa, à sua disposição, por pura sorte.

Conclusão

Então vamos lá: um bom projeto de BI é composto por um time multi-disciplinar (especialistas em ferramentas de ETL, apresentação e exploração de dados), com uma equipe voltada para o atendimento do cliente (esqueça a idéia de ter “self-service 100%”) e outra voltada para uma linha de produção de soluções. Na entrada dessa linha está um DW baseado em Data Vault, no meio as áreas de dados para consumo e na ponta as ferramentas de uso dos dados (apresentação, relatórios e OLAP.) Pipocando aqui e ali aparecem os sub-projetos de Data Mining, tocados normalmente por consultorias externas e nascendo de necessidades pontuais. Essa visão geral pode ser melhor organizada por um generalista.

Nenhuma destas idéias é minha, e isso em parte me dá confiança nelas: Bill Inmon chama esse modelo de CIF, o inglês para Fábrica de Informações Corporativas.

Diagrama da Fábrica Corporativa de Informações.
Diagrama da Fábrica Corporativa de Informações.

Outro nome para essa abordagem é BICCBusiness Intelligence Competence Center. Veja este artigo para uma discussão mais detalhada do conceito.

Não é um BICC, mas dá uma idéia de como funciona a tal "linha de produção".
Não é um BICC, mas dá uma idéia de como funciona a tal “linha de produção”.

O restante da minha confiança nesse modelo nasce de eu ter experimentado tudo isso: Data Vault, Scrum, Data Mining, OLAP, Relatórios, equipes proficientes etc. etc. etc. Eu vi projetos de BI fracassarem ao descuidar desses fundamentos, como também vi projetos de BI que estão vivos até hoje, alguns zumbis, outros mancando, mas em operação. Se os que dão certo trazem pistas do que pode ser o mais importante, ou o que dá resultados, os que se arrastam, semi-mortos, são os mais valiosos para entender como e porque as coisas dão errado.

É isso, até a próxima. ;-)

2 comentários sobre “Projeto de Sucesso

  1. Muito bom Fábio. (Sem confetes) Já percebeu que da pra pegar todo o conteúdo do seu blog, montar um livro e colocar na Amazon. O blog é muito melhor que alguns livros que já li.

    Parabéns!

  2. Muito obrigado Felipe – especialmente pelo “sem confetes”, hehe. Me esforço para fazer posts interessantes – eu sempre escrevo pensando se eu gostaria de ler o que estou redigindo. ;-)

    E, de fato, eu lanço um livro com eles! :-D Acesse a seção https://geekbi.wordpress.com/edicoes-geekbi/ e vai ver que eu lancei coletâneas anuais do blog (falta apenas 2014), além de outros livros.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s