Tive a grata oportunidade de almoçar semana passada com dois grandes amigos, ambos grandes e experientes profissionais do ramo de BI. Trocando causos, chegamos a alguns pontos em comum nos projetos de ambos:

  • Toda teoria de Data Warehousing vai por água abaixo quando a empresa começa a gostar de ter um DW.
  • O que todos querem mesmo ver é dashboards.

Quando todos começam a ver que um DW atrelado a uma ferramenta de visualização é um negócio legal para caramba, todo mundo começa a pedir coisas. Pelas histórias que trocamos, esse processo culmina em uma estrutura de dados intermediária que foge muito de um DW, como um conjunto de scripts que livremente puxam e agregam dados em tabelas à parte, e uma interface de painel para visualização desses dados.

Lembrando em retrocesso, Pedro Alves comentou no curso C*Tools que ele também faz praticamente só dashboards.

Eu, que sou um cara teórico para caramba, fiquei encasquetado. A disciplina de DW resolve praticamente qualquer problema de acumulação de dados que uma empresa pode enfrentar. Analistas de negócios precisam de ferramentas e tempo para poder examinar o negócio, perguntar e descobrir oportunidades de crescimento da lucratividade. Como, então, parecia ser uma tendência em projetos de BI que DW vagueiem para a desorganização incremental, e BI resuma-se a um painel de “indicadores.” Como é que essa pressão poderia ser tão grande a ponto de comprometer a estrutura que vai agregar conhecimento sobre negócio à empresa? E o mais importante: o cenário descrito pelos meus amigos gerava mais ou menos lucros para suas empresas?

Gastei algum tempo pensando nisso, e comecei a perceber algumas coisas:

  • Dashboards são instrumentos usados para manter a empresa nos trilhos, pela descrição deles.
  • Os dados necessários para esses painéis vinham, no final das contas, dos sistemas transacionais.
  • Como o DW acaba ficando de fora dessa equação, sua importância percebida cai, sua prioridade diminui e o respeito aos modelos de dados se esvanece.

E isso leva junto o valor da exploração dos dados. Espere ai… Sem exploração? Como alguém sabe o que quer, sem explorar antes?

Como alguém pode tomar decisões sem antes conhecer o assunto? Como estabelecer metas e limites, sem saber como a empresa se comporta? E porque meus amigos não relataram seu envolvimento nos projetos de BI que alimentaram o conhecimento que definiu as metas e ajudou a desenhar os planos? Eu não perguntei isso naquela conversa, mas pelo andar da conversa, essas informações vieram prontas, sem a colaboração deles!

E de onde vieram? São esses dados que representam a própria Inteligência de Negócios. Projetos de BI servem justamente para os gestores entender como a empresa está operando, não para monitorá-la em tempo real. Eles não surgem do nada, ou da vivência de uma única pessoa dentro de uma empresa com dezenas de empregados (porte médio, que é o filão dos meus amigos.)

Óbvio! Esses gestores já sabiam como a empresa opera, já sabiam como funciona o negócio, e quais são os poucos dados críticos para operação diária! Eles já possuem a “inteligência do negócio!” E por isso BI vira uma “ferramenta de acesso a dados em forma visual”, e mais nada! Bingo!

E Daí?

De cara, vocẽ pode se sentir tentado a achar que isso está bem. Afinal, se eles já sabem como a empresa funciona, para que gastar dinheiro tentando descobrir isso de novo? Se “BI” está entregando o que ainda faltava, então beleza, certo?

Aqui eu começo a tatear. Li muito sobre BI enquanto estive no SAS, conversei com muitos especialistas, muitos implementadores, vendedores e desenvolvedores do SAS. Posso garantir com uma boa dose de certeza: se tem uma forma fácil de uma empresa ganhar dinheiro, é implementar uma solução de BI – CRM, SCM, Churn – o que for que lhe atenda.

Por um lado, as pequenas e médias empresas não são complexas o bastante para que ninguém saiba tudo sobre o negócio, o que é a regra em empresas de maior porte. Nas pequenas é médias é comum alguns poucos chefes deterem o conhecimento total. Sem perceber, eles acabam por prescindir de um projeto que dê-lhes a capacidade de aprender sobre o próprio negócio.

É isso que leva ao abandono do BI canônico (DW + Solução.) E isso não é exatamente ruim, mas também não é uma alavanca para o crescimento da empresa.

Conclusão

Uma solução de BI agrega valor mensurável à empresa – i.e. aumenta sua lucratividade. Criar dasboards pode tornar o trabalho mais fácil ou ágil, mas apenas melhora o que já se fazia. Se você quer usar BI para levar sua empresa adiante, para destacar no mercado, cresçer, não faça essa troca – dia-a-dia ao invés do histórico. Puxe os dados, entregue os dashboards, mas não deixe de explorar seu negócio. Descubra o que limita suas vendas, o que impede sua redução de custos, porque seus clientes estão indo embora ou não chegam com tanta frequência – descubra como seu negócio funciona. É esse conhecimento vai ser capaz de afetar sua lucratividade.

4 comentários sobre “Não É Bem Assim…

  1. Olá Fábio! Excelente artigo e compartilho da mesma conclusão. Será que no final das contas uma solução de dashboard em tempo real resolveria com sucesso ter informação para a tomada de decisão? Como implementar este tipo de solução?

    1. Muito obrigado, Celso! Olhe, há dois problemas que o meu post destaca. O primeiro o Pedro Alves já matou com o “Kimball is geting old“: o modelo dimensional serve muito bem à exploração dos dados, mas ele esbarra em limitações, como as que o Cesar Domingos colocou muito bem, lá na lista da Pentaho-BR. A outra é o “conhecimento do negócio.” De onde os gestores estão tirando esse conhecimento? De relatórios? Só isso? É esse ponto que eu tinha a intenção de destacar nesse post, e que vou estender na semana que vem. ;-)

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s